A nossa bandeira

A empresa aqui inventou uma nova moda: devemos usar o pin da nossa bandeira no nosso colete de trabalho. Achei interessante o jogo, agora além de tentarem adivinhar nossa nacionalidade, teremos uma bandeira à mostra, o que ajudará na descoberta. Por minha sorte, graças ao futebol, a bandeira do Brasil é bem conhecida. Outras nacionalidades não dispõem da mesma sorte, tal como a Polônia.

images

Cuja bandeira é muito parecida com a da Indonésia.

 

 

Flag_of_Indonesia_photos

Obviamente que seus povos não são nada parecidos. Mas que as bandeiras nos confundem, isso sim.

IMG_2196

Eu carrego o Brasil no peito agora. E, outro dia me perguntaram o significado das cores da bandeira. Já não me lembrava muito bem,mas arrisquei a seguinte resposta:

– O verde representa nossas matas, o amarelo nossas riquezas, o azul simboliza o céu e os rios. Dentro dessa bola azul tem várias estrelas, cada uma representa um estado do nosso país, e no meio dessa linha branca, está escrito a seguinte frase: “ordem e progresso”.

A pessoa que me ouvia disse:

– Uma bandeira tão bonita, um país cheio de gente alegre. Uma pena que não esteja tão em ordem assim, né?

Tive que concordar.

Manias

Trabalhar com mais de 100 nacionalidades nem sempre é fácil. Além das diferenças culturais, tem as diferenças de personalidades. E, muitas vezes resultam em conflitos.

Outro dia estava operando um voo para Colombo, no Sri Lanka. Juntamente comigo estava uma comissária Australiana, e o chefe de equipe do Líbano. Nós três estávamos atendendo aos passageiros da primeira classe. Enquanto estávamos esperando a chegada dos nossos passageiros, decidimos fazer uma boquinha.

A nossa empresa oferece umas comidas especiais para tripulantes, tais como pequenas saladas, frutas e os famosos crudités, que são na verdade tiras de salsão e cenoura crus. Uma opção light. Porque nos preocupamos com nossa figura, não é verdade? (risos)


images-2crudites-dip

Os crudités vem acompanhados de molhos, tais como hummus (pasta de grão de bico), e outro com maionese e ervas finas.

Eu peguei a bandeja com as tiras de vegetais e coloquei em cima da bancada da galley. E, enquanto conversávamos, íamos beliscando nas tiras de cenoura. Ora mergulhando uma tira nos molhos, ora não.

De repente a colega Australiana teve um chilique. Olhou para o Libanês e disse:

” Você está usando o molho duas vezes?”

“Como assim?” – perguntou o chefe de equipe.

“Sim, tu pega uma tira de cenoura, molha no hummus, dá uma mordida e depois molha de novo. Isso é nojento. Pois, se eu for usar esse molho, ele estará contaminado com a sua saliva. E, isto não é nada higiênico.”

Ele pediu desculpas, disse que não faria mais isso. Eu fiquei sem reação, pois na verdade não tinha percebido se havia cometido o mesmo crime ou não.

Quando a menina do país dos cangurus se ausentou, o Libanês me revelou:

” Débora, eu já servi no exército do Líbano. E, teve um período em que fui preso. Na prisão eles me serviam comida no chão. Não havia talheres nem pratos. Pegava a comida com a mão do chão mesmo. Se eu não morri lá, por falta de higiene, será que corro algum risco aqui de dividir o molho dos crudités?’

Eu ri.

Moscou

Vira e mexe alguém me diz : ” Nossa, tu não parece Brasileira”. E a minha resposta sempre é a mesma: ” Mas, o que é parecer Brasileiro?” . Somos um povo de todas as cores, formas e muitas descendências.

Algumas vezes as pessoas olham para mim e “chutam” uma nacionalidade, e daí a lista é enorme: Maltesa, Iraniana, Libanesa, Italiana, Francesa, Espanhola, Indiana, etc. E eu costumo brincar: ” Pois é, a minha mistura de Russo com Brasileiro dá em Libanês”, ou qualquer a outra nacionalidade que a pessoa tenha arriscado.

No entanto, a verdade é que eu tenho um pouco de sangue Russo, pois o pai da minha mãe veio daquelas bandas de lá. Infelizmente, não o conheci e também não sei muito de sua trajetória. Mas, sabemos seu nome: Maximus, o qual foi casado com minha avó Carolina, e se não me falhe a memória, tiveram nove filhos juntos, os “Belucas”.

Portanto, toda vez que vou à Russia, me bate aquela sensação de que um dia eu possa encontrar algum parente, um primo distante, quem sabe?

DSCN3085

Estar em Moscou no verão é uma bênção, pois no inverno as temperaturas são gélidas.

DSCN3104

A Praça Vermelha (em russo: Красная площадь, Krasnaya ploshchad) é uma famosa praça em Moscou, conhecida pelos desfiles militares soviéticos durante a era da União Soviética. A praça separa a cidadela real, conhecida como Kremlin, do bairro histórico de Kitay-gorod. Como grandes ruas de Moscou partem da praça em várias direções, prolongando-se em rodovias para fora da cidade, a Praça Vermelha pode ser considerada como a praça central de Moscou e de toda a Rússia. O nome de Praça Vermelha não deriva da cor dos tijolos ao seu redor, nem da associação da cor vermelha ao comunismo; na verdade, o nome surgiu porque a palavra russa красная (krasnaya) pode significar tanto “vermelho” como “bonito”. A palavra foi empregada originalmente (com o sentido de “bonito”) à Catedral de São Basílio, e foi mais tarde transferida à praça adjacente. (wikipedia)

 

DSCN3115

A Catedral de São Basílio (em russo: Собор Василия Блаженногo/Sobor Vasiliya Blazhennogo), é uma catedral ortodoxa russa erguida na Praça Vermelha em Moscou, Rússia, entre 1555 e 1561. Construída sob a ordem de Ivã IV da Rússia, para comemorar a captura de Kazan e Astrakhan, marca o centro geométrico da cidade e o centro do seu crescimento, desde o século XIV.1 2 Foi o edifício mais alto de Moscou até a conclusão do Campanário de Ivã, o Grande, em 1600. (wikipedia)

DSCN3133

A Rússia é a terra do Ballet Bolshoi.

 

IMGP7990

Por sorte minha, já pude visitar Moscou em tempos frios. Apesar de que neste dia, em especial, ainda não estava nevando, e as temperaturas estavam toleráveis ao corpo humano.

 

 

IMGP8012

Mas, Moscou fica linda também toda branquinha. A neve caindo, o frio batendo, não tem nariz que não fique vermelho. (risos)

IMGP7980

Apesar dos tons cinzentos que predominam na cidade de Moscou, ao chegar no Kremlin, cores quentes iluminam o lugar. Kremlin (Кремль), sinônimo de “fortaleza” em russo, refere-se a qualquer complexo fortificado encontrado nas cidades russas históricas. A palavra é mais freqüentemente utilizada em referência ao mais conhecido deles, o Kremlin de Moscou, sede do governo da Rússia e da extinta União Soviética. É uma das maiores atrações turísticas da cidade de Moscou. (wikipedia)

Moscow_July_2011-49

A vista é deslumbrante.

 

DSCN3087

E, antes de ir embora, não deixe de comprar uma lembrancinha. As matrioskas são todas lindas. Difícil é escolher uma só.

 

IMGP7975

Olhando para esse branco da neve, pensei no meu avô. Acredito que ele tenha fugido do frio daquela terra. Saiu feliz e contente procurando o calor que o Brasil oferecia.

Moscou é fascinante, tanto no inverno como no verão. E, dos meus 25% de russo, só sei dizer: Spacibo! Obrigada.

Pedido de Casamento

Viajar sempre nos proporciona muitas surpresas. Esses dias voei com uma menina da Inglaterra, a Catherine. Uma beleza típica do Reino Unido, pele branquinha, olhos azuis e cabelos super loiros. Uma boneca de tão linda que a Catherine era.

2064-500x500

 

E, conversa vai, conversa vem, a Catherine me contou a seguinte história:

Ela estava operando um voo para Lagos, Nigéria. E, neste voo sempre há acontecimentos para relatar, seja pela pouca delicadeza dos nossos passageiros, ou pelo medo que eles causam, por serem a maioria do tamanho GG ou por suas vestimentas super extravagantes.

Nigerian_womenCatherine estava fazendo o serviço de bordo na econômica.

– O senhor gostaria do frango assado ou a carne de carneiro?

Uma senhora ha umas duas fileiras adiante a chama:

– Psiu, hey, você aí loirinha.

Catherine olha para ela e pergunta:

– Sim, posso lhe ajudar, senhora?

A mulher Nigeriana fala:

– Meu filho precisa de uma esposa. Você é muçulmana?

Catherine responde:

– Não, senhora.

A mulher diz:

– Ok, pode continuar o seu serviço então.

Catherine e eu ríamos muito do acontecido. Olha a oportunidade que ela perdeu por não ser da mesma religião da tal senhora. (risos)

 

A Nigéria é um país que fica na costa oeste da África, cuja capital é Abuja. A Nigéria é muitas vezes referida como "o gigante da África", devido à sua grande população e economia.7 Com cerca de 174 milhões de habitantes, é o país mais populoso do continente e o sétimo país mais populoso do mundo. (wikipedia)

A Nigéria é um país que fica na costa oeste da África, cuja capital é Abuja. A Nigéria é muitas vezes referida como “o gigante da África”, devido à sua grande população e economia. Com cerca de 174 milhões de habitantes, é o país mais populoso do continente e o sétimo país mais populoso do mundo. (wikipedia)

Beleza Feita

Eu tenho essa conhecida que me revelou o seguinte: ” Não tenho curiosidade em conhecer Dubai, pois é uma cidade de beleza feita” . Realmente, aqui tudo é feito, muito bem feito, por sinal. (risos). Porém, não critico a tal conterrânea, pois cada um sabe do que gosta. Eu, por exemplo, tenho uma lista de lugares que não tenho a mínima vontade de conhecer,  tipo o Bangladesh, ou Coréia do Norte.

Dubai não tem montanhas, rios, cascatas,essas belezas naturais, as quais foram criadas por Deus, Allah, Buda, seja qual for a sua crença. Mas, se estamos seguindo este raciocínio, o ser humano, o qual criou todas essas belezas de Dubai, foi criado por quem? Deus, Allah, Buda, seja qual for sua crença, não?

 

De todas as construções de Dubai, este prédio retorcido é o meu favorito. Tem beleza mais artificial do que essa? E, ainda ser lindo de cair o queixo?

De todas as construções de Dubai, este prédio retorcido é o meu favorito. Tem beleza mais artificial do que essa? E, ainda ser lindo de cair o queixo?

E o Burj Al Arab? Um ícone de Dubai. Um dos hotéis mais requintados e caros do planeta. Eu tive a oportunidade de visitá-lo algumas vezes, e confesso que o acho um pouco brega. Muitas cores, luzes e águas pulantes. Mas, ainda sim é faraônico.

E o Burj Al Arab? Um ícone de Dubai. Um dos hotéis mais requintados e caros do planeta. Eu tive a oportunidade de visitá-lo algumas vezes, e confesso que o acho um pouco brega. Muitas cores, luzes e águas pulantes. Mas, ainda sim é faraônico.

E o Burj Khalifa, então? O maior prédio do mundo. Praticamente 1km lomba acima! (risos). A vista dele não me cansa, seja pela manha, durante o dia, ou no por do sol. Ele é imponente, de tirar o fôlego.

E o Burj Khalifa, então? O maior prédio do mundo. Praticamente 1km lomba acima! (risos). A vista dele não me cansa, seja pela manhã, durante o dia, ou no por do sol. Ele é imponente, de tirar o fôlego.

Eu poderia listar inúmeras beldades de Dubai, até porque sou fã de carteirinha do lugar. E, sinto muito pela minha conhecida, por estar fazendo julgamentos antecipados sobre o local. A beleza está por todos os lugares, seja ela natural ou artificial, sejamos humildes o suficiente para apreciar a beleza por si só, independente por quem tenha sido o autor da criação.

Despedidas

Outro dia desses uma amiga postou algo interessante em sua página do Facebook. Dizia que estava muito triste, pois não estava preparada para despedidas. Eu, me sentindo muito confiante, escrevi que fazia parte da vida, e que depois de tantos anos morando longe da família, eu já tinha o dar “tchau” como rotina.

Mentira.

Basta eu dizer algo, que os anjos me colocam à prova.

Janeiro de 2015 foi um mês muito especial para mim. Pois, minha irmã, sobrinho, sua melhor amiga, a Izalete, e sua pequena filhota, a Rafaela, passaram uns dias aqui comigo em Dubai. Quanta alegria em recebê-los.

Esta foi a segunda vez que meu sobrinho, o Fabrício, vem para os Emirados Árabes Unidos. Desta vez, um pouco mais velho (8 anos), acredito que ele tenha curtido mais as maravilhas que a cidade oferece.

IMG_8500

O passeio no Creek, uma entrada do mar, é obrigatório. O Dubai Creek é praticamente um lugar histórico, basicamente onde tudo começou. O local oferece passeios de Abras, barcos da região. Sempre uma diversidade de coisas para ver e comprar..Nesta foto, o Fabrício me relatava que estava muito feliz em Dubai, e que gostaria de morar aqui. (risos). Eu perguntei o porque, e ele: ” Por que tudo aqui é muito lindo”.

 

 

As amigas, Adriana (minha irmã) e Izalete, aproveitaram a voltinha de Abra. Cabelos ao vento, curtindo o passeio.

As amigas, Adriana (minha irmã) e Izalete, aproveitaram a voltinha de Abra. Cabelos ao vento, curtindo o passeio.

The Gold Souk - O mercado de ouro de Dubai. Para  cubrir-se de ouro! Inshallah.

The Gold Souk – O mercado de ouro de Dubai. Para cubrir-se de ouro! Inshallah.

E que criança, ou adulto, não se encanta com o maior aquário dentro de um shopping do mundo. Aliás, Dubai é campeão em superlativos. Aqui nesta foto, os pequenos ficaram encantados com os tubarões.

E que criança, ou adulto, não se encanta com o maior aquário dentro de um shopping do mundo. Aliás, Dubai é campeão em superlativos. Aqui nesta foto, os pequenos ficaram encantados com os tubarões.

Pulos altos pelo Burj Al Arab

Pulos altos pelo Burj Al Arab

Por do Sol visto do Atlantis, hotel que fica na ponta da ilha artificial, a qual tem o formato de palmeira.

Por do Sol visto do Atlantis, hotel que fica na ponta da ilha artificial, a qual tem o formato de palmeira.

Passeio maravilhoso no famoso Miracle Garden. Inacreditável a quantidade de flores reunidas em um único local. E, mais fantástico ainda, imaginar que este jardim foi construído no deserto.

Passeio maravilhoso no famoso Miracle Garden. Inacreditável a quantidade de flores reunidas em um único local. E, mais fantástico ainda, imaginar que este jardim foi construído no deserto.

Pulos de felicidade pelo Miracle Garden

Pulos de felicidade pelo Miracle Garden

Teve o dia de brincar de aeromoça e piloto. Os nossos futuros viajantes, quem sabe?

Teve o dia de brincar de aeromoça e piloto. Os nossos futuros viajantes, quem sabe?

E dia vai, e dia vem, até que chega o dia de dar tchau.

No shopping Ibn Batuta. Neste dia, ficamos 5 horas fazendo compras. Mas, os pequenos aguentaram firme, qualquer coisa era motivo para brincadeiras.

 

E, dia vai, dia vem, até que chega o dia de dar tchau. Aquele, que eu falei que estava tão acostumada. Mas, na hora “H” bastou um único abraço do Fabrício para me provar que na realidade não estou preparada não.

Ano Novo

Nesta passagem de ano, de 2014 para 2015, eu estava trabalhando. Operei um voo para Washington DC, Estados Unidos. Eu não vesti branco, e sim o meu pijama. E, para falar a verdade, não vi nem fogos de artifício e nem bebi champagne. Triste? Não, diferente.

O voo decolou de Dubai para Washington dia 31, as 2 da manhã. Ao chegar nos Estados Unidos, eu já não sabia se era dia ou era noite. Eu queria dormir. Obviamente que sempre se acha uma energia reserva para fazer umas comprinhas nos “States”, que é o paraíso das compras, ainda mais após o Natal. (Mega liquidações). Devido a diferença de horário, muitos outros cantos do mundo já celebravam a chegada de 2015, mas nos Estados Unidos ainda era cedo. Sendo assim eu vi que não ia aguentar até a meia noite. Dito e feito, voltei do shopping, tomei um banho e coloquei meu pijaminha. Mas, antes de dormir, a ceia de Ano Novo foi pedida para ser entregue no quarto 503, o meu!

Ceia de Ano Novo americana? O que eu poderia ter pedido? Hambúrguer com batata frita.

IMG_8158

 

Na minha família, a tradição manda que se coma lentilha, salada de batata, torta fria, salada de frutas e outras guloseimas. Mas, onde eu encontraria isso na véspera de Ano Novo nos Estados Unidos? Talvez na casa de algum brasileiro que morasse por lá.

Enquanto eu apreciava a minha ceia de final de ano, minha irmã conversava comigo pelo What’sup. Me contando dos preparativos para o Ano Novo dela no Brasil. A tecnologia é uma maravilha, pois ela me mandou fotos dos pratos preparados, vídeos do meu sobrinho brincando e etc. Essas mensagens foram trocadas para que de certa forma eu pudesse participar do momento com eles, e vice versa. O mais interessante, é que ela me confessou que meu sobrinho, o Fabrício, ao ver a mesa posta, com pratos de lentilha, arroz, salada de batata e tudo mais, disse: ” Não gosto nada disso, só vou comer arroz.”

Então ela disse: ” Ele queria estar aí em Washington, comendo essa tua refeição, repleta de batatas fritas”

Eu ri, pois não gosto de batata frita, eu queria era estar lá, comendo lentilha.

E, fui dormir refletindo sobre o que tinha acontecido. Pois, nem o meu sobrinho nem eu estávamos felizes pela comida disponível naquela hora. Se fosse possível o tele transporte, tenho certeza que eu e o Fabrício tínhamos topado na hora. Mas atualmente, a tecnologia nos permite trocar fotos, vídeos, mensagens de voz, mas corpos, ainda não. Qual a solução então?

Hoje, eu comecei a ler um livro que se chama ” A arte da felicidade” da Sua Santidade o Dalai Lama, escrito por Howard C. Cutler. Ao ler o seguinte trecho, achei a resposta da pergunta acima:

“Como podemos, então, alcançar esse contentamento íntimo? Há dois métodos. Um consiste em obter tudo o que se quer e deseja – todo o dinheiro, todas as casas, os automóveis, o parceiro perfeito e o corpo perfeito. (…) Se nossos desejos e vontades permanecerem desenfreados, mais cedo ou mais tarde vamos nos deparar com algo que queremos e não podemos ter. O segundo método, que é mais confiável, consiste em não ter o que queremos mas, sim, em querer e apreciar o que temos”

Fica aqui minha mensagem de um feliz 2015 para todos.